28
Set 12
publicado por Ponte Vertical (alter), às 17:47link do post

 

            Em 1962 Isaura Cardoso tem 52 anos, já não é uma mulher nova e tem uma vida cheia de escolhos. Sente-se mal tratada pelo destino e pelo cunhado que lhes ficou com tudo. Está a mudar de casa, saiu do que era seu por direito, e agora, sentada na arca de madeira e chapa, descansa dos trabalhos de mudanças e revê tudo o que passou. Foi tudo tão depressa!

         A poucos metros dali, no terreno que partilha com o irmão Jaime, e que somado aos quinhentos escudos é tudo o que recebeu dos pais, a filha vai fazer uma casa. O genro não poderá ajudar muito, trabalha para o tio que enriquece de dia para dia, recebe mil escudos e nem descontos para a caixa faz. A filha falou com o pai – Isaura é mãe solteira e não lhe fala desde que a Arminda também teve um filho dele, também solteira, pouco dias depois de Maria Emília ter vindo ao mundo. O Zé Maria mandou a filha andar com a casa que a pagava, ela assim está a fazer, já lá está um monte de pedra.

         Sentada na arca a rever os dias de que se lembra, pousa os olhos desfocados numa zona qualquer da memória, traço que a filha herdou, e mesmo assim se apercebe do mau estado do soalho. As tábuas são antigas, de castanho, e são largas e de boa bitola, mas a idade é muita. Aqui e ali há frinchas abertas por onde se vê para a casa da lenha. A cara da mãezinha vem-lhe todos os dias à cabeça, a do paizinho com mais alguma dificuldade que tinha ido há mais tempo – meus bisavós, Maria e Valentim, partiram antes que minha avó Isaura e outros   dos dez irmãos tivessem a maioridade; foi feito inventário e entregue tudo ao cuidado do Abílio Barros, marido da Palmira, uma das mais velhas.

         Em Freamunde, a Rua do Comércio no sentido como quem vai para Lousada, do lado esquerdo era tudo propriedades dos Cardosos, o que não era dos Cardosos era dos Britos. Do outro lado era quase tudo dos Oliveiras. O edifício mais robusto era justamente a pensão Cardoso, casa paterna onde nasceu minha avó Isaura, e onde nasceu também minha mãe, de pai conhecido mas ausente, sendo já na altura a casa do tio Barros; a casa, as quintas, as vinhas… Do que ficou arrolado aos cuidados do enorme Abílio Barros, ele só largou meia dúzia de campos – que entregou um a cada dois herdeiros juntamente com uns míseros “cobres”. Muitos anos se tinham passado desde a constituição do inventário, e entretanto, o Barros acostumara-se à propriedade da fortuna, os legítimos herdeiros acostumaram-se, na falta das figuras paternais, às paternalidades do Barros, tudo se passou no remanso do pacífico e vasto lar. No momento da partilha tudo o que viesse era bom, só mais à frente amadureceram as consciências e os olhos viram que mal partido estava o bolo – tarde|

         A casa do Lugar dos Matos, arrendaram-na por cento e cinquenta escudos ao sobrinho, Toninho Barros, que a herdou dos pais. Isaura não se sente mal ali; a casa é boa e bem que poderia ter sido dela, ou não, já não importava. Mais importante é que a família se dava toda bem e as coisas estavam resolvidas melhor ou pior na cabeça de cada um. A casa em construção avançaria rapidamente porque o dinheiro estava garantido e o Pinhão era um mestre d’obras sério e competente.

         A Isaurinha Cardosa foi sempre muito respeitada por toda a vila. Ela merecia-o e nunca deixou de fazer por isso. O aspecto e a limpeza da casa, tinha-os muito em conta; aquele soalho merecia uma reparação que se impunha antes da chegada da filha, do genro e das minhas duas irmãs – eu nasceria mais tarde. Acendeu o fogão de lenha, pôs uma panela de água a aquecer, onde foi deitando papel de jornal rasgado em bocadinhos muito pequenos. Cozeu assim em lume brando um paparote denso e acinzentado a que juntou alguma goma-arábica, tinha-a sempre para fazer cola de papel; puxou a panela para o lado, onde a temperatura não era tão alta e deixou-a com a tampa semiaberta; entretanto ajoelhou-se e começou a raspar todo o assoalhado com palha d’aço. Este trabalho de limpeza das madeiras deu-lhe para vários dias, durante os quais manteve a panela da pasta de papel a um canto com a tampa fechada. Varrido o chão de toda a poeira levantada, passou-o a pano com água morna. Por fim, com a ajuda de uma faca velha usada a modos de espátula, tapou todas as frinchas com a pasta de papel, deixou secar durante toda uma semana em que se ocupou do exterior e de outros pormenores e depois deu duas generosas camadas de cera

         Com os movimento circulares repetitivos, ora de um braço, ora de outro, progredindo de gatas, muito lentamente, a dar polimento ao chão encerado daquela casa arrendada, Isaura Cardoso fez o último ritual de luto pelos pais e pela casa onde nascera e de onde nunca tinha saído antes. A antiga pensão do tempo dos pais seria um lugar no passado. A figura de mãe solteira que tinha de si própria, deixá-la-ia nessa casa de seus pais, no passado também. Isaurinha seria desde então avó; regressaria da missa da manhã, todos os dias, para uma casa sem fantasmas.

         Foi nessa casa arrendada, que tinha do outro lado da estrada - de terra na altura – um largo com uma nora ao meio, que eu nasci em Novembro de 1964. Fui fazer o primeiro aniversário à casa construída no campo da avó Isaura; ainda lá está, mas já só lá habita o meu pai. Passou o tempo que passou, e agora, quando olho para trás já misturo as memórias do que vivi com as que me contaram e com outras coisas que não sei o que são.

         A todo o momento poderá acontecer algo. O mais provável é eu ser apanhado com um caderno e uma caneta na mão. Espero bem!

 

 JMP

tags:

Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26



arquivos
2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

pesquisar neste blog
 
Aniversários
António Rogério Gomes Pereira ........ 19/03 (1936) ------------------------------ Carla Sofia Aires de Sousa Neto 07/06 (1973) ------------------------------ José Mª de Moura Gomes Pereira 16/11 (1964) ------------------------------ Manuel Antº Ferr. Bento de Carvalho 23/09 (1964) ------------------------------ Manuel António Moura Alves ....... Maria Emília Ferreira Aires ............ 13/02 (1951) -------------------------------- Mª Luísa de Moura Gomes Pereira 23/01 (1962) -------------------------------- Mª Teresa de Moura Gomes Pereira 06/03 (1961) -------------------------------- Mª Teresa M. Pereira Bento Carvalho 07/02 (1997) ------------------------------ Patrícia Isabel Aires de Sousa Neto 23/10 (1981) ------------------------------ Rogério Manuel Pereira Moura Alves 21/07 (1993) ------------------------------ Serafim Urbano Sousa Neto .......... 12/02 (1949) ----------------------------- Sérgio Miguel Sousa Neto Gomes 02/06 (1977) ------------------------------
Passagens
Abílio de Bessa Pereira de Castro . 08/05/1899 - 21/11/1993 »»»»»»» Aidina Pinto Graça ..................... 10/06/1911 - 13/02/2003 »»»»»»» Albano Pereira Gomes ................ 20/05/1910 - 25/02/19?? »»»»»»» Arnaldo Gomes Taipa ................. 04/06/1895 - 16/01/1984 »»»»»»» Alfredo Cardoso de Barros .......... 23/01/1932 - 29/05/2012 »»»»»»» António Alberto Matos e Barros ...... 07/04/1940 - 26/03/2005 »»»»»»» António Cardoso Barros ............... 25/02/1910 - 28/01/1978 »»»»»»» Antº Hernani Bessa Card. de Castro 24/07/1924 - 08/07/1944 »»»»»»» António Pinto de Moura ............... 07/11/1925 - 08/11/1986 »»»»»»» Bernardino Pinto de Moura ........... 25/02/1916 - 04/11/2000 »»»»»»» Blandina Pinto Gomes .................. .................................................... Engrácia da Assunção Dias - ........ Cardoso de Bessa ...................... 09/04/1899 - 03/04/1995 »»»»»»» Esmeraldina Pinto Gomes ............ 27/04/1896 - 22/01/1992 »»»»»»» Felisbina Pinto de Moura .............. 19/11/1917 - 11/11/1993 »»»»»»» Felisbina Pinto Ribeiro Gomes .... 31/05/1915 - 10/06/2002 »»»»»»» Fernando Herculano Pinto de Moura 24/10/1934 - 05/12/1995 »»»»»»» Guilherme Pinto Ribeiro Gomes .... 28/07/1872 - 15/09/1960 »»»»»»» Isaura Moreira Dias Cardoso ..... 16/08/1910 - 25/06/1997 »»»»»»» Jaime Barros Gomes .................. o4/02/1936 - 01/05/2012 »»»»»»» João Fernando Correia de Moura 26/08/1931 - 18/06/1964 »»»»»»» Joaquim Oliveira Taipa de Moura 11/09/1936 - 06/06/1986 »»»»»»» Jaime Moreira Dias Cardoso ...... 30/08/1907 - 16/05/1978 »»»»»»» José Fernando Teles de Menezes ................................................. José da Silva Moura .................. 13/09/1885 - 09/07/1964 »»»»»»» José Maria Pinto de Moura .......... 21/12/1912 - 07/09/2007 »»»»»»» José Ribeiro Nunes Graça ........... .................................................. Josefina Pereira Gomes ............... 01/03/1879 - 09/05/1964 »»»»»»» Júlia Augusta Torres Lima ............ 04/08/1936 - 02/05/2009 »»»»»»» Júlio Pinto de Moura .................... 15/10/1923 - 15/03/2003 »»»»»»» Leonilde Maria Machado Pereira .... 13/12/1925 - 23/06/2006 »»»»»»» Luís Paulo Leão Cardoso de Barros 30/03/1959 - 11/08/1983 »»»»»»» Maria Braselina Pinto de Moura ... 10/03/1928 - 19/04/2004 »»»»»»» Maria da Conceiç M. Dias Cardoso 11/04/1896 - 10/05/1984 »»»»»»» Maria Emília Cardoso de Moura ... 03/04/1938 - 19/02/2006 »»»»»»» Maria Emília da Silva Matos .......... 03/08/1911 - 18/01/1978 »»»»»»» Maria Idalina Pinto de Moura ......... ................................................... Maria Pinto Graça ..................... 16/12/1890 - 09/03/1981 »»»»»»»» Maria da Saudade Moura Menezes ................................................... Orlando Pinto de Moura ............... xx/xx/xxxx - 21/12/2010 »»»»»»» Raquel Sofia Ribeiro Gomes ......... 26/06/1873 - 23/05/1954 »»»»»»» Sérgio Augusto Moreira da Silva 26/01/1935 - 07/03/1983 »»»»»»» Valentim Pinto de Moura .............. 12/10/1930 - 08/11/1988 »»»»»»»
blogs SAPO